segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Grupo!


Sempre evitei ser de um único grupo. Tenho meus amigos de bairro, do colégio, de primos, de clube, de faculdade e por aí vai.
Mas quando descobri o HIV em mim, comecei a pesquisar na internet para saber mais informações. Me deparei com um mundo todo de soropositivos, existem comunidades e blogs de discussão sobre o assunto, pessoas de sorologia negativa que nos apoiam, informações sobre pesquisas e há também a questão de relacionamentos.
Como já comentado, a questão relacionamento, em princípio, é uma das mais graves ao se descobrir soropositivo. Relacionamentos familiares que podem desabar, amizades que podem se confrontar, e claro relacionamentos amorosos que sofrem aí, a maior turbulência.
Acho algo pequeno, até mesmo ignorante uma pessoa que não se abre para o mundo, para a possiblidade de conhecer pessoas diferentes, e um grande baque foi em me olhar no espelho e ver que agora sou de um grupo, o grupo dos que contrairam o HIV.
Na internet encontrei muitas comunidades e afins que se presam em tentar unir casais soropositivos, pois claro, facilita o momento de contar a verdade e reduz o grande medo da rejeição. Eu fugi desses canais de comunicação. Pensava que tendo essa iniciativa ficaria mais ainda preso em um único grupo.
Dias atrás comecei a refletir sobre isso, e conversando com uma amiga fiz o comentário que eu achava que procurar alguém com a mesma sorologia me tornaria mais fechado nesse grupo, impossibilitando assim de conhecer alguém da maneira natural. Mas aí ela veio em contra-ponto dizendo que eu não me abrir para essa possibilidade de conhecer pessoas como eu, também me fecha em um certo grupo.
É, concordei com ela. Talvez eu amplie essa minha rede, afinal, ninguém está obrigado a gostar do outro...isso talvez apenas aumente a possibilidade de eu ser feliz!

domingo, 8 de agosto de 2010

Momento de Transição


Brinquei com alguns amigos dizendo que estava entrando em uma nova fase da minha vida, mas realmente acho que é justamente isso que está acontecendo.
Estou em uma fase de transição...sei lá. Ando meio esquisito mesmo. Alguns amigos que conhecem meu jeito animado, brincalhão e até paquerador estão se deparando com uma nova pessoa, chegam até a se preocuparem perguntando se estou bem.
Estou sim... na verdade até melhor do que eu imaginava.
Mas estou em uma fase diferente que tento compreender o que é ainda. Tenho saído menos...e quando saio me divirto bastante, mas quando este sentimento vai passando volto pra casa. Tenho curtido estar com algumas pessoas, porém tenho curtido mais ainda estar sozinho. Não pensem que é algo depressivo pois não é. Quando mais novo, lá pelos 14 e 15 anos curtia bastante a minha solidão, e era muito positivo. Eu me descobria a cada dia....me divertia comigo mesmo, afinal passei a maior parte da infância brincando sozinho. Acho que estava até mesmo com saudade desta independência afetiva. Ajuda a me focar em algumas coisas. Isso vale para relacionamentos e ficadas também. Encontrei uns dias atrás a pessoa com quem eu compartilharia e construiria uma vida, mas ela não consegue me aceitar....direito dela que não nego jamais. Mas é tão bom poder estar com alguém que sabe de tudo... alguém que me beija e sabe a verdade por trás do meu sorriso e dos meus olhos tristes. Acho que está rolando uma certa preguiça no momento. Tenho sim me interessado por pessoas novas, mas isso tem diminuído. Cheguei a pensar bastante nas poucas pessoas que estiveram comigo sabendo da situação. Era bom não ter medo. Não ter medo da rejeição...mas preso ao passado sei que não posso ficar,e ando carente de algo que nunca tive. Mas deixa esse momento passar...quem sabe não dá uma melhorada né!

sábado, 7 de agosto de 2010

Viva La Vida




"Hoje sei que não importa muito a forma que morreremos, que pode ser de susto, bala ou vício...

Importará, naquele dia, a forma como teremos vivido."

Não acredito muito em coisas por acaso... sempre acho que existe um sinal. Passei o último mês dizendo essa frase pra mim mesmo e ela aparece aqui nos meus comentários.Também disse para algumas pessoas. Algumas apenas para compartilhar o pensamento, já para outras gostaria que realmente pensassem à respeito.

Eu estou aqui, tendo raras crises de 5 minutos de choro descontrolado. Estou aqui repensando muitas coisas. Vivenciando coisas novas e me cuidando. mas acima de tudo estou vivendo. Deixando o sorriso chegar na maior parte do tempo...deixando também as lágrimas cairem quando necessário. Estou me desafiando, aprendendo e tentando seguir confiante rumo ao meu futuro.

OBS: Obrigado pela frase, e saiba que estou pensando muito sobre isso já faz um tempo!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Aceitação!


Além da dificuldade da própria pessoa em se aceitar como soropositivo, nos deparamos com a preocupação em se as outras pessoas vão aceitar. Isso se agrava mais na condição de um relacionamento amoroso.
Tenho pensado bastante sobre isso esses tempos. Por enquanto só consigo chegar em uma conclusão.

"Não quero ser aceito, quero ser amado...a aceitação talvez apareça naturalmente pelo que sou e não pelo que tenho!"

Hipocrisia


Não entendo como algumas (entenda-se muitas) pessoas tratam os portadores de HIV. A população parece que sente um certo nojo e medo e se limitam a pensar que alguém que pega uma doença por via sexual é um promíscuo ou algo do tipo. Porém elas se esquecem que a maioria da população tem uma vida sexual ativa e estão todos sujeito a contrair alguma doença. Isso é pura Hipocrisia.