terça-feira, 3 de agosto de 2010

Aceitação!


Além da dificuldade da própria pessoa em se aceitar como soropositivo, nos deparamos com a preocupação em se as outras pessoas vão aceitar. Isso se agrava mais na condição de um relacionamento amoroso.
Tenho pensado bastante sobre isso esses tempos. Por enquanto só consigo chegar em uma conclusão.

"Não quero ser aceito, quero ser amado...a aceitação talvez apareça naturalmente pelo que sou e não pelo que tenho!"

Um comentário:

Cláudius disse...

Passei por isso em 1994, quando não havia remédios e nem esperança.
Recebi, na época, um prognóstico de seis meses de vida(...).
Naturalmente eu pensei em suicidio, mas um amigo espiritual me disse que, naquele ponto, deveria, no mínimo, aceitar as consequencias de meus atos com dignidade e me permitir viver.
Vivi dois anos sem esperança até que surgiram os remédios da terapia tríplice: Coquetel.
Hoje, tantos anos depois de ter recebido um prognostico tão funesto, tenho vontade de procurar o médico que me deu seis meses de vida e dizer:
Seis meses de vida é o C...
Vivo bem, casei-me, trabalho em casa, aprendi a aceitar a doença como uma coisa a mais na minha vida.
Não digo que seja fácil. em verdade, em verdade não o é.
MAs, nao teria muita graça se fosse fácil.
Hoje sei que não importa muito a forma que morreremos, que pode ser de susto, bala ou vício...
Importará, naquele dia, a forma como teremos vivido.
pense nisso.
[]´s
Cláudio
http://www.soropositivo.org