terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Avaliação do ano




"Não importa o esquisito que você acabe sendo, as chances são de que ainda existe alguém para você. A não ser que tenham seguido em frente. Porque quando se trata de amor, nem esquisitos podem esperar para sempre."

                         (Grey's Anatomy)




Me ausentei este último mês, e motivos não faltaram. Sou daquele tipo de pessoa que encara sim o ano novo como um recomeço e por isso sempre acabo parando no mês de dezembro para avaliar os acontecimentos. Posso garantir que este foi o pior ano de toda a minha vida. O início da medicação, os efeitos colaterais que persistem até hoje, a mudança de foco no trabalho, complicações de saúde, muito foco nos estudos evitando pensar em outras coisas, carência e sofrimento no quesito amor. De fato não posso considerar um ano bom, mas como sabem, o otimismo sempre arruma uma forma de se manifestar em mim, e aprender a enxergar o lado bom das coisas é uma lição diária, com isso também posso considerar que a medicação veio para me alertar e manter minha saúde mais estável, uma medicação com grandes efeitos colaterais, porém bem adaptada ao meu ritmo de vida, um estágio que eu busquei e que durante seu período me abriu os olhos e me ensinou muito, aprendizado na faculdade e a volta ao meu trabalho preferido, aquele que faz meus olhos brilharem, sofrimento no coração que pode também mostrar que foi eterno enquanto durou, que existem pessoas boas e esta luta para os soropositivos esta apenas começando e depende de nós... acredito que é possível ser feliz... e é nesta felicidade que quero chegar, é assim que quero conseguir ver sempre. Os primeiros passos foram dados.... que venha 2012 e ilumine meu caminho... ou melhor o nosso caminho. Obrigado pela força de todos aqui....

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

dia 1!



Dia primeiro... esqueço muitos aniversários, confundo até mesmo o dos meus pais, mas esta data... esta data faz tempo que entrou na minha vida.
Acho que estava na sétima série quando vieram no meu colégio no dia 1 de dezembro e foram explicar sobre a AIDS. Não sei porque, mas aquilo me marcou. No ano seguinte li pela primeira vez algo sobre a doença...era o livro "Depois daquela viagem". Depois disso, todos os anos e todas as vezes que passava algo sobre o assunto eu sentia algo me agoniando.
2 anos atrás entendi o motivo. 2 anos atrás estava refazendo meu exame durante a semana mundial do combate e confirmando o resultado. 2 anos atrás eu virei uma estatística.

Gostei, e muito da campanha deste ano. Esta tem que ser a luta, chega de preconceito. Me lembrei de uma frase que ouvi e que li recentemente.

"A dor do outro não interessa a ninguém quando faz parte das estatísticas".
(Ingrid Betancourt)