domingo, 22 de janeiro de 2012

Esse é um desses dias!


Artie: Olha, eu não fui sincero com você. Eu quero mesmo ser seu amigo, mas não acho que deveríamos namorar.
Becky: É porque sou muito intimidadora?
Artie: ... É.
Becky: Entendi... Vejo você depois.
(Becky anda pelo corredor e sua voz, em off, continua a narrativa)
Eu não perguntei a ele o que eu queria perguntar. Eu não perguntei se ele não queria ser meu namorado porque eu tenho Síndrome de Down. Eu não perguntei porque eu sei que a resposta é sim. Em alguns dias é chato ser eu. Esse é um desses dias. Foco, Becky. Não deixe eles verem você chorar.

Hoje o seriado mudou. Queria colocar o vídeo aqui pois merece ser visto pelo excelente trabalho desta atriz. Estou falando de Lauren Potter, uma atriz com Síndrome de Down do seriado Glee.
Muita coisa muda na vida, poucas são imutáveis. É difícil para alguém que não tem Síndrome de Down, HIV, uma deficiência física, entre outras, entender este sentimento na sua mais profunda verdade.
A vida pra quem diz NÃO segue, e é assim que deve ser. Mas a nossa... já é um outro processo.


segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Riscos



Dia desses um amigo saltou de parapente no Rio. Fiquei me questionando o motivo das pessoas fazerem este tipo de coisa sabendo que existe um alto risco de acontecer algo grave, e percebi que isto é viver, é encarar os riscos e acreditar no que vale a pena.
Se pararmos para pensar já nascemos correndo riscos, saímos de um procedimento complicado para entrarmos no mundo. Quando deixamos de engatinhar estamos enfrentando o risco do tombo ser maior, mas ainda assim vale a pena para podermos estar de pé. Quando fazemos 18 anos e tiramos a carteira de motorista, o risco de sofrermos graves acidentes no trânsito é enorme. Amar traz o risco de sofrer. Fazer uma faculdade traz o risco de estudarmos mais a fundo um assunto sem segurança nenhuma de emprego. Uma viagem de avião, um esporte radical, uma cirurgia... somos rodeados de riscos e é isso que faz a vida andar. Viver é enfrentar esses riscos sabendo que a recompensa vale mais.

Esse é o nosso caso. Nós soropositivos trazemos um risco sim, mas que pode ser bem pequeno se feito tudo com segurança, e a recompensa... a recompensa pode ser inacreditável, pode ser um sorriso sincero, um olhar cativante e um sentimento profundo.

Ah, o salto dele foi ótimo, a vista tão incrível que ele disse que faria tudo de novo.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Chegou


Depois de férias, viagens e fazer coisas que realmente tocam meu coração e enchem meus olhos de brilho, olho para a tela do computador, coloco umas músicas, lágrimas vão chegando e sinto meu coração se encher...
Não são lágrimas tristes, são lágrimas de libertação, de felicidade... de esperança. Esperança essa que estava nos últimos tempos bem diminuída. E de onde vem isso? Juro que não sei...apenas me sinto assim. Acredito que venha dos sorrisos sinceros que retribui nesses últimos tempos, acredito que venha da realização de me olhar no espelho e me enxergar naquele reflexo. Enxergo o garoto otimista (a tristeza presente sim, mas mais controlada), o garoto que tem sonhos, que tem uma família incrível e amigos maravilhosos... aí me sinto forte o bastante para acreditar, sim, que este ano será melhor. Me cuidar tornou-se prioridade. As expectativas para este ano estão  em minha saúde, em concluir minha faculdade, em me estabilizar um pouquinho financeiramente para ser capaz de realizar alguns sonhos materiais, em realizar alguns projetos e tentar me divertir, mesmo que sozinho.
2012 chegou, e com ele trouxe a vontade de acreditar...acreditar nas possibilidades, acreditar nas pessoas e principalmente acreditar em si mesmo!