segunda-feira, 30 de abril de 2012

Concentração


Pensa em alguém que sempre fez muitas coisas diferentes e ao mesmo tempo, alguém com o pensamento a mil, com energia e foco....pensou? Este era eu.Era.
Teve um dia ano passado que eu jamais me esqueci. Estava em meu estágio e depois de uma semana muito atípica onde atrasei serviço, esqueci chave e várias outras coisas pequenas fiquei me questionando muito. Não conseguia entender o que estava acontecendo. Não era meu normal. Eu sabia os telefones da maioria das pessoas de cor, até RG eu sabia de outras pessoas de cabeça. Achei tudo muito estranho e resolvi investigar. Foi aí que encontrei na internet vários textos e reportagens dizendo sobre como o HIV pode atacar a parte neurológica e afetar a memória , e mais ainda unido aos problemas psicológicos.
Na pesquisa da qual faço parte, além dos exames de sangue e outros físicos testamos a parte neurológica e respondemos questionários psicológicos também. Na parte neurológica os testes são de coordenação motora e memória. Confesso que como bom competidor eu adoro os testes, sempre busco meu melhor, mas já ando perdendo, meus resultados caíram... e na parte psicológica existem questões como a quantidade de dias que não se sentiu disposto para fazer a maioria das coisas, a quantidade de dias que sentiu desmotivado e sem foco para realizar suas tarefas.
Que fique claro aqui que não sou hipocondríaco, minhas pesquisas vieram após começar a sentir as coisas diferentes, viu!
Pode parecer bobagem, coisa pequena esquecer chaves e tudo mais, mas me preocupo. No Profissão Repórter que abordou o tema, mostraram uma mulher que muitas vezes se perde, não reconhece nem os filhos direito. Tenho medo, e mais que isso, tenho ficado perturbado com o fato de sentir esses dois fatores me abatendo. Tenho coisas para fazer, mas não sou o mesmo, não consigo me focar, muitas vezes não consigo  buscar sozinho esta energia necessária. Tem vez que o dia simplesmente passa e no final dele, me revolto por não ter me obrigado a realizar minhas funções. Queria que fosse simples assim... volta concentração...volta!

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Sexta-Feira


Acabo de ficar 15 minutos em um banho de assento onde, além da água morna da bacia, lágrimas tornaram-se inevitáveis por todo o período. Não é assim que eu esperava que fosse minha noite de sexta, não é assim que a maioria dos jovens visualizam sua noitada. Como já disse aqui, um dos efeitos colaterais do meu remédio é o fato de eu ir muitas vezes ao banheiro e isso facilita para causar infecções. Exatamente um ano atrás passei pela primeira experiência e, esta semana, ele voltou: O Abscesso Anal.
As dores começaram dias atrás, mas iam e vinham, comecei a procurar um proctologista, mas o único que fui - me desculpem- não gostei... um senhor, já bem de idade, que nem conseguiu me examinar direito. Saí frustrado mas não poderia fazer muito além de seguir suas recomendações e como não era minha primeira vez já conhecia os procedimentos. Mas desde ontem, nossa, dói, dói muito ( e já tive 2 pedras nos rins, sei o que é dor!). Estou sozinho em casa, continuo solteiro e - infelizmente- minha família está longe. Devido ao pouco orgulho que ainda me resta, não consigo ligar para alguns amigos. Amanhã , se nada melhorar, irei até a emergência do hospital e pedirei para drenarem. Perdi a oportunidade de um bom trabalho simplesmente porque há 3 dias não consigo ficar mais do que 10 minutos sentado no computador. Está complicado, não apenas isso...mas TUDO isso.
Me dei conta que antes tudo era mais fácil pois tinha consciência de que era feliz, hoje eu procuro ser feliz... esta aí uma grande diferença. Meus 10 minutos estouraram, vou deitar! Bebidas? Diversão? não...para esta sexta optei por meus comprimidos e um travesseiro mesmo...

segunda-feira, 9 de abril de 2012

De Repente...


É assim, de repente você acorda todos os dias ás 7 horas da manhã para tomar a medicação... De repente você nem sabe mais quantas vezes foi ao banheiro, se foram 5, 6 ou 10... De repente as pessoas estão falando com você sobre a doença... De repente você se olha no espelho e... e... é isso!
Se eu ainda sofro? Claro! Tem dias que dói. Dói quando o medo de passar mal é maior do que a vontade de beber um pouco na balada, dói quando encontro pessoas que poderiam me fazer felizes estão acompanhadas de novas pessoas, dói quando conheço alguém novo e não sei se me boicoto antes de sentir algo e sofrer mais ainda, dói quando penso em meus pais, dói quando penso em mim. Mas como eu disse, agora isso ocorre em períodos mais espaçados. Consigo sorrir de verdade, consigo olhar para meu futuro.
Venho escrevendo menos, e já havia decidido só escrever aqui coisas relacionadas ao HIV, e aos poucos ele entra na minha rotina. Desculpe não ter muitos textos novos, mas saibam que continuo aqui na luta e coisas boas estão para se concretizar. Aí sim irei comunicar todos!