segunda-feira, 25 de junho de 2012

Pergunta importante



"Todo dia que não está morto, debaixo da terra, ao acordar de manhã terá de tomar decisões. Tem que fazer a si mesmo esta pergunta: Eu vou acreditar nas coisas ruins que os tolos disseram sobre mim?" 


Crianças são maldosas, o ser humano é maldoso, e quando falamos de preconceito e bullying apenas quem já passou de verdade por isso sabe qual é a sensação das agressões verbais (às vezes físicas) que nos fazem ficar em dúvida sobre quem somos. 
Quando optei por informar as pessoas ao meu redor sobre minha condição de saúde, minha condição de vida, muitos ficaram ( e ficam ) com receio da resposta da sociedade. Não tenho mais tanto medo assim, desde novo sei como é isso. Sei o que é ser insultado, agredido verbalmente, julgado e condenado por coisas que nem tinha noção, por coisas que não tinha feito e não compreendia de verdade. Algumas vezes acreditei no que os tolos disseram... Mas o tempo foi generoso comigo, transformou-me em alguém que me orgulho. Aprendi a não acreditar e isso me tornou mais forte. Mais forte para encarar esta nova condição da minha vida. Mais forte para enxergar as pessoas ao meu redor.


"Nunca ninguém tinha me perguntado como era ser eu. Assim que eu disse a verdade sobre isso... Eu me senti Livre!"

Entendo que cada um tem sua vida, seus medos, suas crenças. Mas afirmo aqui que está frase aí de cima é verdadeira. Infelizmente nós - soropositivos - temos uma condição eterna (por enquanto), e por ser uma doença que não é passageira, sentir-me livre diante da minha família e dos meus amigos tornou-se um dos melhores momentos. Temos uma doença que qualquer pessoa pode pegar, qualquer uma que se descuide, não tenho vergonha dela.... não tenho vergonha de mim. Recomendo a liberdade. Sei que ela não vem de maneira fácil, não surge sem luta e coragem....mas ao menos pra mim está valendo a pena.

OBS: Frases do Filme - Histórias Cruzadas

quarta-feira, 6 de junho de 2012

O que combina?


Mês que vem volto com um texto melhor... hoje apenas fiquei pensando sobre um ocorrido no final de semana.
Estava em uma reunião de amigos e um deles (um amigo recente que apesar de saber da minha condição de saúde, não sabe ainda muito sobre mim) estava conversando comigo, e em algum momento eu disse algo sobre estar menos alegre. Aí ele disse mais ou menos assim:
- Ah, mas isso não combina com você, alegria sim.

Fiquei quieto na hora, mas me preenchi com uma dúvida: " Mas o que eu faço se minha vida não combina mais comigo?"