quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Chegou o Dia!


Quase 3 anos de mudanças, confrontos internos e descobertas. Hoje venho, orgulhoso sim, mostrar um projeto que a cada dia cresce um pouco mais.

Esta semana o blog vira livro. Nem tudo que tem no blog tem no livro e nem tudo que tem no livro tem no blog. Fico feliz com esta realização. E para o pessoal do Rio, o lançamento é agora na sexta dia 30. Aguardando datas do lançamento em Ribeirão Preto e em São Paulo.



sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Uma imagem diz mais...





domingo, 11 de novembro de 2012

Poderia ser eu


O que me encanta na profissão de ator é a capacidade de contar uma história, a capacidade de se conectar aos espectadores. Aquele momento em que a pessoa que está assistindo se identifica, se reconhece no palco ou tela. Praticamente um momento de catarse.
Quase que óbvio, mas este talvez seja um dos filmes mais incríveis. Não somente pela história que é muito boa e ainda atual, mas por interpretações sensacionais.


Quando passei os canais hoje, parei no filme justamente nesta cena. Na minutagem 0:58 e 1:27 (exatamente a da imagem do vídeo) eu senti que poderia ser eu ali de tão real este olhar. Um olhar onde me reconheci. Quando pareço estar disperso e sem foco, na verdade é o reflexo da densidade da minha vida. Um minuto significa um momento, significa muitos, muitos pensamentos. Foi, pra mim, um momento de catarse, de lágrimas de libertação. 

sábado, 10 de novembro de 2012

Perder


Crescemos ouvindo a importância da competição. Somos treinados para buscar a vitória. Temos que ganhar, ganhar, ganhar... 
Isso é algo muito diferente do que vivo. Digo para muitas pessoas que uma das coisas que a doença me trouxe foi a lição do "Perder".
Existem coisas maiores do que nós e , infelizmente, vejo muito isso com relação a minha doença.
Aprendi a perder muitas coisas nesses 3 anos. Perdi muito da minha liberdade. Perdi muitos sonhos. Perdi alguns caminhos. Perdi minha tranquilidade...
Com a maioria dessas perdas eu sobrevivi, encarei com força e coragem. Reconheci meus limites e segui em frente. Mas não consigo ser forte o tempo todo e não sei o que fazer... 
Hoje eu perdi uma batalha muito importante. Hoje eu perdi para minha doença, perdi para esse vírus que está dentro do meu corpo, que sai como indetectável nos exames mas que não me deixa em paz um dia sequer. Perdi para o Seu medo, seu receio e seus temores. Ele me venceu de uma forma que faz minha dor me derrotar. 
Hoje quando vi olhos te buscando e logo em seguida você, com uma espontânea animação, buscando esses olhos eu encontrei uma enorme fraqueza. Acabei me descontrolando como a imaturidade de um adolescente e não pude fazer nada. Juro que não queria mas demonstrei raiva, ciúme e tristeza.
Está doendo, muito. Quase que por um impulso eu incentivei para que o beijo acontecesse logo, para eu ver de camarote e, assim, sofrer tudo de uma vez. Mas não tive força suficiente. Tenho medo, medo de perder sua presença, sua companhia, sua amizade. Não sei como será tudo isso, o que me causa mais angústia. Perdi demais com relação ao amor, e esta, talvez seja uma das mais significantes neste processo de aceitar as perdas. 
 

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Apreensivo





  - Você está triste?
  - Não, apreensivo!








Durante anos ouvi que eu era alguém racional e durante um bom tempo rejeitava isso. Pensava em uma pessoa racional como alguém frio e não conseguia me ver assim. Sou artista, sou sensível... Mas os anos passam e entendemos que isso não está relacionado. Aceito hoje o título de racional. De alguém que sempre pensa muito, planeja muito. Como diria minha família, não dou ponto sem nó. Quase sempre sabia o que estava fazendo e onde iria chegar.
Ultimamente escuto muito que não posso ficar ansioso, tenho que ter calma, que não posso querer resolver tudo de uma vez, que não devo pensar tanto... 
São pedidos difíceis esses. A respiração parece estar entalada. Tenho que, inclusive, pensar para respirar fundo e não controlar essa troca de ar natural. Muitas coisas acontecendo, muitas coisas para acontecer e como fico? Tudo pode melhorar... Tudo pode desabar... Não dá para não pensar. Das poucas vezes que não racionalizei eu não obtive resultados bons né (a começar pelo meu diagnóstico)... 
Ter medo? Esperança? Ansiedade? Muita coisa para controlar e com o receio de escolher algo fico assim, como em suspensão, apreensivo.
Fase. Talvez seja mais uma destes quase 3 anos. Tento um dia de cada vez. Tomara que...