sábado, 10 de novembro de 2012

Perder


Crescemos ouvindo a importância da competição. Somos treinados para buscar a vitória. Temos que ganhar, ganhar, ganhar... 
Isso é algo muito diferente do que vivo. Digo para muitas pessoas que uma das coisas que a doença me trouxe foi a lição do "Perder".
Existem coisas maiores do que nós e , infelizmente, vejo muito isso com relação a minha doença.
Aprendi a perder muitas coisas nesses 3 anos. Perdi muito da minha liberdade. Perdi muitos sonhos. Perdi alguns caminhos. Perdi minha tranquilidade...
Com a maioria dessas perdas eu sobrevivi, encarei com força e coragem. Reconheci meus limites e segui em frente. Mas não consigo ser forte o tempo todo e não sei o que fazer... 
Hoje eu perdi uma batalha muito importante. Hoje eu perdi para minha doença, perdi para esse vírus que está dentro do meu corpo, que sai como indetectável nos exames mas que não me deixa em paz um dia sequer. Perdi para o Seu medo, seu receio e seus temores. Ele me venceu de uma forma que faz minha dor me derrotar. 
Hoje quando vi olhos te buscando e logo em seguida você, com uma espontânea animação, buscando esses olhos eu encontrei uma enorme fraqueza. Acabei me descontrolando como a imaturidade de um adolescente e não pude fazer nada. Juro que não queria mas demonstrei raiva, ciúme e tristeza.
Está doendo, muito. Quase que por um impulso eu incentivei para que o beijo acontecesse logo, para eu ver de camarote e, assim, sofrer tudo de uma vez. Mas não tive força suficiente. Tenho medo, medo de perder sua presença, sua companhia, sua amizade. Não sei como será tudo isso, o que me causa mais angústia. Perdi demais com relação ao amor, e esta, talvez seja uma das mais significantes neste processo de aceitar as perdas. 
 

7 comentários:

railer disse...

sinto muito querido. infelizmente muitas pessoas não estão preparadas para lidar com isso, principalmente pela falta de informação.

no meu blog eu tento falar às vezes no assunto (veja o tema 'hiv/aids'), como a peça que fui ver em nova iorque.

mas vejo que as pessoas infelizmente evitam o assunto (a postagem da peça teve pouquíssimos comentários) quando deveriam se aprofundar mais nele.

abraços!

Anônimo disse...

Amigo querido. Amar talvez seja sempre perder mesmo. Mas pelo menos a gente ama. Um dia a gente encontra alguém que vai estar com a gente pro que der e vier!

Anônimo disse...

Se negou seu problema, negou parte de voce! não te merece! siga em frente!

Anônimo disse...

Rafael, de boa, que papinho chato, imaturo, auto-piedade pura! Você é muito preconceituoso e infantil. Escute o conselho de quem vive há 20 anos com isso: a vida é muito maior que os percalços e enquanto você fica pensando no que perdeu não aproveita o que tem pra ganhar. E a vida já te deu muito, rapaz. Em 92, quando eu me soube infectado, só havia AZT para tratar e nem era dado pelo governo. a expectativa de vida era de 3 anos e eu estou vivo em nunca ter ficado doente. Fale sério, cara. Três anos e você nessa auto-piedade piegas, desculpe-me, mas piegas! Rafael, o mundo detesta quem se faz de coitado, sabia? Pra seu governo, há doenças muito piores que Aids, há gente que passa fome, que não tem onde morar. Tome os medicamentos, se cuide e tente mudar essa postura chata, de pessoa mortalmente ferida. Realmente, desse jeito, vai ser difícil vc encontrar um amor. Eu posso nte dizer: sou ateu, nunca me apeguei a Deus, mas sempre tomei meus remédios corretamente e tive muito menos problemas do que me disseram que eu teria. Se alguém não gostar de vc por causa disso, que essa pessoa se morda, aar o dela. Quando pressinto alguém compreconceito, jogo logo mil pedras e penso: ele não sabe o que EU penso dele! a vida é boa, cara. Nem de longe é perfeita, mas é boa, garanto! Abraços!

Anônimo disse...

Caraca, anônimo. A vitoria de viver bem depois de 20 anos veio acompanhada de uma pedância terrível. Agressividade desnecessária acompanhada de um menosprezo pela dor alheia. Nao entendi tuas comparações das dores do luan com as tuas. Você resolveu nivelar por baixo pelas suas dificuldades em outa em época terem sido maiores?
Enfim. Luan, parabéns pelo blog e pela honestidade nos textos. Lê quem quer né?
Abs

Eduardo Gonçalves disse...

Cara, não sou soropositivo mas acabei me apaixonando por um cara que é. E ele me contou a verdade. Nosso namoro durou menos de dois meses porque infelizmente ele carrega a culpa de nunca poder estabelecer uma relação por completo comigo por causa do vírus. E por causa disso ele renunciou ao nosso amor e hoje quem sofre com a perda sou eu. Levei um bom tempo para entender e agora você é se transformou no "outro lado". Impressionante mas consigo ver toda a dificuldade e conflito que o meu amor passa através dos teus conflitos. E desde então não parei mais de te ler. Um abraço.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.