domingo, 11 de novembro de 2012

Poderia ser eu


O que me encanta na profissão de ator é a capacidade de contar uma história, a capacidade de se conectar aos espectadores. Aquele momento em que a pessoa que está assistindo se identifica, se reconhece no palco ou tela. Praticamente um momento de catarse.
Quase que óbvio, mas este talvez seja um dos filmes mais incríveis. Não somente pela história que é muito boa e ainda atual, mas por interpretações sensacionais.


Quando passei os canais hoje, parei no filme justamente nesta cena. Na minutagem 0:58 e 1:27 (exatamente a da imagem do vídeo) eu senti que poderia ser eu ali de tão real este olhar. Um olhar onde me reconheci. Quando pareço estar disperso e sem foco, na verdade é o reflexo da densidade da minha vida. Um minuto significa um momento, significa muitos, muitos pensamentos. Foi, pra mim, um momento de catarse, de lágrimas de libertação. 

Um comentário:

railer disse...

esse filme é realmente muito bonito e uma lição de vida.