quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Responsabilidade


Perguntaram-me dia desses com tudo isso que esta acontecendo se tenho intenção de ter uma vida em cima dos assuntos e questões ligadas ao HIV. Respondo aqui que não, sou muitas outras coisas além de soropositivo, mas é claro que quando tudo toma uma proporção maior você começa a ver outras coisas.

De colocar os meus sentimentos e pensamentos para fora ( vamos lembrar que são os meus e não estou aqui para julgar a forma que outros reagem ou reagiram diante de questões parecidas), percebi esta comunicação com outras vidas, outras pessoas.

Semana passada estive presente no Seminário RedusAids em Niterói e deparei-me com outra situação, com a força e transformação de algo pessoal em uma responsabilidade, em dar voz ao momento atual desta doença crônica, ao fato de jovens terem de enfrentar isso diante de suas indefinições e imaturidades da vida adulta. Senti naquele momento o peso e a força que eu tinha para tentar ajudar em algo.

No dia seguinte lanço o livro, amigos e desconhecidos indo prestigiar este momento. E depois mais um evento onde vi olhos de novos portadores do vírus buscando força, ajuda, informação. Sinto-me bem, feliz. Não resolvi por minha cara no O Globo por uma questão de vaidade, busquei ali a oportunidade de ajudar ao menos Uma pessoa. Sabia que seria importante passar adiante, manter esta corrente do bem, e devido aos inúmeros e-mails e comentários, na maioria de agradecimento, força ou compartilhamento de vida, tenho a certeza que algo bom foi feito.

O que irá acontecer a partir deste momento confesso não fazer a menor ideia. Se eu tiver de sair por aí falando mais sobre o assunto ou fechar este canal e continuar minha vida como ator, bailarino e produtor só o tempo irá responder. Estou por aqui, até quando ninguém sabe ;)


5 comentários:

railer disse...

eu espero que você continue por aqui, no livro, no filme, na dança, atuando, produzindo, enfim, em tudo de que você gosta e que te faz feliz!

Anônimo disse...

Rafael, como todo o respeito, voce nao acha que dramatiza excessivamente a sua condicao? Ainda mais considerando que voce esta indectectavel? Eu fui diagnosticado ha 1 ano e logo comecei a tomar remedio. Nao vou dizer que e uma coisa facil mas eu nao acho que viver em auto-piedade e em intensa melancolia ajude voce ou o estigma do virus. Eu estou bem, saudavel, minha vida nao mudou muito. Nao cheguei a me apaixonar por ninguem entao nao sei como isso vai ser mas me preocupo quando for hora. Acho que existem coisas piores na vida. Voce tem a sua saude e isso e o que importa. Por que o drama?

Anderson Ferreira disse...

Discordo de você, Anônimo. Não acho que ele esteja dramatizando não, pelo contrário, acho que ele está informando a população com relação às dúvidas que todos têm, etc. Eu sou soropositivo há 26 anos, escrevi também um livro (que não pus à venda por decisão própria, mas que está disponibilizado a todos na internet) e o admiro por ele ter mostrado seu rosto, coisa que eu não fiz porque sou professor e achei que teria problemas com os pais dos alunos, etc. Mas também sou de uma outra época, 1987, quando todos saíam correndo de você quando sabiam que era "aidético", palavra comumente utilizada naqueles tempos. Bem de qualquer forma, acho que toda forma de informação é bem vinda, Anônimo. Tenho certeza que há coisas que você tem aqui com você, em sua história e experiência, que podem ajudar outros portadores ansiosos por vivências. Abra~ps a todos e muito boa sorte pra todos nós!!! ;-)

Anônimo disse...

Está dramatizando,sim! E sendo piegas, extremamente piegas. Nunca fui amado, ninguém me quer. Sabe porque? Porque ele é CHATO, E AS PESSOAS ODEIAM OS CHATOS. E PIOR, CHATICE NÃO CURA EM TRATAMENTO!

Le Fer disse...

Acredito que esta tua atitude não tem volta... As pessoas, principalmente as que convivem com o vírus, precisam da tua presença, da tua experiência, de ti. Num mundo onde há guerras, competição entre as pessoas, individualismo, ..., é fundamental existirem pessoas como tu. São pessoas assim que fazem a diferença! Não desista de nenhum projeto feito até agora. Não te conheço, mas acredito que tu possas ir ainda mais além!
Abraços carinhosos.