sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Dia Mundial de Combate! Bate-Papo no Rio


Convido você para participar do Bate-papo no dia Mundial de Combate à AIDS!
Estarei às 18h na Livraria Sabor literário no Leblon, Rio.

Aguardo sua participação para conversarmos sobre as questões atuais de viver em sociedade sendo portador de uma doença crônica!


terça-feira, 5 de novembro de 2013

Desabafo!


Este é o "assunto" de alguns e-mails que troco com um dos leitores.

A conversa com ele me estimulou escrever aqui e por isso, obrigado rapaz de brasília ;)

Sobre os vários questionamentos, confrontos e descobertas, palavras e sensações como sonhos, medo, tristeza e luta brotam nos textos. Não há como não lembrar do meu início por aqui.
Demorei um pouco para responder um e-mail e tamanha alegria em saber que os questionamentos feitos por ele, foram respondidos dias depois pelo mesmo. Publico aqui trechos da minha resposta para ele, por acreditar na importância dela:

Essa é a maior prova garoto, o maior clichê, porém o mais verdadeiro. O tempo é sábio, e nossa meta é tentar correr atrás dessa sabedoria, como? Não desistindo, não nos esquecendo de detalhes e aprendizados antigos.
Este final de semana recebi a notícia de que um conhecido, que também tinha o vírus, faleceu. Fiquei um pouco passado com isso. Se tive ou tenho medo? Claro que tenho, mas isso não será motivo para me parar, pois por alguns anos eu me olhei no espelho e não reconheci o garoto magrelo, alegre e sonhador. A única coisa eu eu sabia é que tinha que lutar, quis desistir algumas vezes, abrir mão, jogar tudo para o alto... mas nesse tempo que fui me conhecendo apenas confirmei onde estava minha alegria. Sei quem sou, sei o que quero e não... esse vírus não vai tirar isso de mim! De NÓS!!
Fique bem rapaz, se cuide, mantenha os pés no chão, mas sempre que possível... Sonhe! ;)

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

"Vaquinha" para ajudar o projeto!


O Projeto "Uma Vida Positiva" vem pedir a ajuda dos amigos.

O Coletivo Ver [mais] surge com o intuito de transformar questões presentes na nossa sociedade em arte e movimento. Profissionais de diversas idades, experiências e expectativas uniram-se para realizar seu primeiro trabalho juntos. "Da Razão do Vermelho" pretende abordar de forma sensível e criativa uma temática pouco explorada e que necessita de grande atenção, o HIV e outras questões como preconceito e aceitação. Bailarinos e atores pretendem criar um espetáculo com a capacidade de atingir o expectador de forma sensível e objetiva. Baseado em trechos do livro "Uma vida positiva" do autor Rafael Bolacha.

Precisamos adiantar a produção com a compra de microfones que fazem parte do cenário, realizar projeto gráfico, pagar salas de ensaios e outras necessidades do projeto. Toda ajuda é importante!

Entre no Link e participe de nossa Vaquinha!
Obrigado!



sábado, 14 de setembro de 2013

Meu Presente!


Inferno astral, chegando no final da minha terceira década e muitas coisas aqui na cabeça. Não, não acordei bem, não ando muito bem esses dias. Mas cansei, cansei desse sentimento se repetindo.

Abri mão de muitas coisas na minha vida para chegar onde cheguei, abri mão de alguns sonhos, de tempo com meus familiares, com meus amigos, abri mão de certos "luxos", abri mão de pessoas. Inúmeras vezes comparei a minha vida de hoje com a de meus amigos e me torturei algumas vezes, questionei minha carreira, minhas qualidades. Concentrei-me em minhas falhas, em meus erros e deficiências.

Neste tempo todo coloquei muitas vezes aqui no blog as questões que aprendi nesses últimos anos. Aprendi a me respeitar e a respeitar os outros. Aprendi onde estão meus limites. Aprendi a perder. Chega!

Vou fazer 29 anos e sei quem sou e onde quero chegar. De presente me dou o direito de ganhar!

Ganhar respeito na minha carreira, quero ganhar editais e patrocinadores, quero ganhar o coração de quem eu gostar. Sei o quanto estudei, por tudo que passei. Quero realizar muitas coisas e capacidade para isso sei que tenho. O que me falta então? Esta é a busca atual, esse é o foco, mas logo descubro, não vou sossegar.

Sou um comunicador, sou um contador de histórias, sou um produtor de ideias e é isso que farei nos próximos 29 anos. Chega de dúvidas, de conflitos ideológicos, chega de aceitar pouco, de colocar o rabo entre as pernas, de dizer apenas sim. Mereço muito mais. Merecemos algo do tamanho de nosso amor próprio. Que venha os 29, que venha tudo de bom! The dog days are over


terça-feira, 3 de setembro de 2013

RioCard - A Saga




Como doente crônico tenho o direito ao transporte público gratuito na cidade do Rio de Janeiro, entrei com a solicitação 4 meses atrás. Primeiro a informação picada no hospital de Ipanema, onde não me deram o formulário do Rio Card para minha médica preencher, tive que buscar no posto de saúde próximo ao Grajaú para depois voltar até Ipanema, depois tive de fazer o CAD Único, cadastro único nacional que diz respeito aos projetos sociais do governos, mas ele só é feito aqui na cidade do Rio em postos que se encontram nas entradas das comunidades (Agora eu te pergunto, uma senhora de meia idade, por exemplo, classe média, que não consegue contar a ninguém sua condição soropositiva e que tem por direito seu transporte gratuito vocês acreditam que ela irá conseguir ir até este posto de cadastramento? E a questão aqui não é preconceito ou algo do tipo, mas a compreensão de que um direito do doente crônico não deveria estar atrelado em questões sócio-econômicas, fica impossível ter um escritório central para os doentes crônicos realizarem este cadastro?). Voltando... Depois de quase dois meses aguardando o número do CAD (Pq quando fui fazer estavam sem o sistema no computador e foi feito de forma manual...) fui até o posto de saúde, mas só é feito o cadastro uma vez por semana no em meio período, aguardei a próxima quinta-feira. Depois aguardei mais 10 dias para pegar o protocolo.
A data do meu protocolo é do dia 20 de julho! Existe a opção telefone ou site, pelo site impossível entender qualquer coisa de tão mal feito que é, e fiquei viajando por 15 dias e celulares não completam a chamada, apenas telefones fixos da cidade do Rio. Esta semana depois de 3 tentativas, uma não aguentei esperar tanto, na outra estavam sem o sistema de busca e apenas agora pela manhã descubro que meu laudo não foi aprovado desde o dia 15 de agosto!

MEU LAUDO: HIV+ em tratamento ambulatorial regular e em uso de medicação antiretroviral realizando exames laboratoriais. 

Que outro laudo eu devo mandar? Não fica claro que sou doente crônico? Onde está a dúvida deles? 

OBS: Em SP as pessoas conseguem o bilhete único em 20 dias!

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Romaria


" É de sonho e de pó o destino de um só, feito eu perdido em pensamentos..."

Durante este tempo escrevendo aqui me inspirei muitas vezes após assistir algum episódio do seriado Grey's Anatomy. Ultimamente o seriado tem sido outro, ando numa fase mais Brothers & Sisters, e quando penso em família, nossa... Tanta coisa surge.

Desde o início de tudo isso aqui, desde que me descobri soropositivo minha luta era poder ajudar ao menos uma pessoa, como uma corrente do bem mesmo, sabe? E fiquei tão feliz com tantos e-mails recebidos. Conversas que me ajudaram, muitas vezes, mais do que eu ajudei. Que fizeram meu olhar sair do EU e buscar o OUTRO.
Não me considero ativista, militante ou algo assim. Sou um artista e entendi que o que poderia ser feito já está acontecendo. Consegui transformar minha dor, meus medos em algo capaz de tocar o outro. Algumas vezes de forma ruim, mas na maioria dela de uma forma boa. Não sei quando vou escrever, quanto tempo terá essa pausa pois estou tentando fazer meu melhor em várias outras coisas, mas estou por aqui sempre que possível...

Quando refleti sobre a família, quando coloquei um trecho de uma música que sempre me emociona, é porque queria deixar claro aqui a importância da família nisso tudo. Ultimamente muitos outros soropositivos ficaram sabendo de sua sorologia e me procuraram, e claro que para tudo existe um tempo de adaptação, mas queria deixar aqui registrado minha gratidão pela minha família e me sinto tão livre, tão sincero com todos que a constituem que isso me ajudou a ter força para seguir com todas essas adversidades. Quanto maior o amor, maior pode ser também o medo, e descobrir a melhor forma de contar pode fazer toda a diferença. Além de ser uma coisa série e que pode, muitas vezes, gerar alguma complicação e por melhor que seja um amigo, não é dele a responsabilidade de cuidar de você. Se tiver algum que faça isso, ótimo! Agradeça muito, mas tenha certeza que família que comemora unida também luta e chora unida.

Aff... Acho que me deu saudade dos meus irmãos, dos meus pais... De nossas viagens juntos, algo que hoje em dia é impossível. Crescemos, a família cresceu com cunhadas, sobrinhos.... Mas aquelas músicas, aquelas brincadeiras, olhares e aprendizados fizeram toda a diferença para o que sou hoje, para a forma que aprendi a lidar com tudo isso. Cada dia melhor e mais forte e assim vamos seguindo =)

quarta-feira, 8 de maio de 2013

... Mano Velho...


Fui aquela criança que conheceu comprimidos e xaropes bem cedo, já tive muitos remédios diferentes em meu organismo. Hoje em dia faz parte da minha rotina, mas o melhor de todos eles é um bem conhecido da grande maioria, um remédio que não tem efeito colateral, que é até mesmo um grande clichê, porém o mais verdadeiro deles... O tempo.

Três anos e meio depois da minha descoberta e encontro-me em um novo momento de vida. Um momento quase pleno comigo mesmo. Nesse tempo todo quase sempre em ótimo estado de saúde. Aprendi a ver outros pontos de vista, aprendi a julgar menos, aprendi a olhar mais atentamente para as pessoas pois aprendi a olhar melhor pra mim mesmo. Perdi-me em algumas coisas, mas isso foi muito devido aos medos que também brotaram, tempo esse que também teve sua importância. Hoje chego inclusive a retomar um lado mais irônico e consigo - até mesmo- olhar com humor para várias situações que passei. Ando leve e forte, bem mais forte. Quanto tempo vai durar eu não sei, mas deixe que o próprio tempo resolva. Tenho retomado minha fé. Fé de que coisas boas virão, fé de que o que fiz aqui neste espaço nesse tempo não foi por acaso, fé de que ficarei bem comigo mesmo e de quando for para ficar bem com alguém será da melhor forma, no seu tempo certo.

Estava olhando agora pouco um texto sobre as fases do luto e de como elas acontecem com todos, mas em cada indivíduo o tempo entre cada uma pode variar muito. O texto diz bem específico sobre o luto e perda de alguém, mas é bizarro como se enquadra neste contexto pois o luto existiu, não sou o mesmo e nem teria como ser. Diante disso, olho hoje para outros em condições iguais ou semelhantes a minha e torço para que consigam aceitar o quanto antes pois chega a ser doloroso não poder fazer nada para amenizar. Entendo meus amigos e agradeço por este espaço onde pude tornar realidade algumas fases que passei e sem dúvida compartilhar tudo isso foi fundamental para o meu Tempo.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Do copo totalmente vazio até a libertação


Mini Flashback por favor!

"... mas o que eu faço se minha vida não combina mais comigo?"

Sexta passada... um dia como os últimos... o sol abriu... praia... de noite um evento... uma balada... Despedida para um dos meus melhores amigos e quem mais tempo dividiu uma casa comigo. Claro que não estaria bem... adicione questões de moradia que preciso resolver me menos de um mês... adicione a pessoa que você ama com seu novo relacionamento... Claro que não ia prestar... chorei a festa toda... tentei tomar decisões mas nada me acalmava... pânico. Voltei pra casa e tentei dormir... ao acordar descobri que estava em meu limite, talvez com o copo todo vazio... no fundo do poço como dizem... Quis morrer, mesmo. Diferente de me matar (Não tenho coragem e não pretendo fazer isso em momento algum!), mas queria morrer...queria paz... fechar os olhos e enfim libertar esse peso na minha cabeça... em meu corpo. Mando uma mensagem completamente ambígua e que deixou o receptor assustado... me ligou e não consegui dizer o que queria... ele avisou pessoas próximas que começaram a manifestar preocupação... levantei e fui andar...queria sumir. Eu que quase nunca abro minhas feridas para não amedrontar minha família e amigos estava caído... não consegui disfarçar... resolvi sumir..mesmo. 

Comprei uma passagem e em uma decisão de minutos fui parar na noite de sábado em um hostel em Belo Horizonte.. acordei cedo no domingo e fui para um dos lugares mais incríveis do mundo. Inhotim. Pedi sinais.. pedi calma... pedi a capacidade de organizar meus pensamentos, e, como que em um sonho, adentro uma galeria onde fico exatamente no lugar da pessoa da imagem..

                                                                                  (Swoon - Janine Antoni)

Um grande espelho onde eu me via com as cortinas de um palco... um casal em cena dançando... uma música sendo alternada com a respiração e sons do palco... Momento mágico, único e salvador... Chorei, fiquei arrepiado. O reencontro que tanto pedi neste tempo todo... o reconhecimento dos meu olhos, da minha vida ali... bem na minha frente. Depois disso me senti aliviado e aproveitei cada minuto deste lugar incrível e ao final do dia, como que em um quebra-cabeça, eu consegui organizar meus pensamentos... consegui me sentir liberto. Consegui libertar dores, sofrimentos e Pessoas. Um ciclo se fechou e estou aqui, pronto para iniciar um novo... um grande resgate. 

Até uma analogia bem "minha cara" consegui fazer... mas essa fica para o próximo texto. Escrevi muito nesse tempo desde que descobri minha doença... Conversei muito... Refleti muito. Deixei muita gente triste, preocupada e talvez até com raiva de mim. Hoje mudo um pouco e parto para a ação propriamente dita. Demonstrarei essa mudança, essa decisão, pois pensando em um texto de Cora Coralina, hoje eu decidi! Queria me desculpar, queria o perdão de algumas pessoas, queria não perder amizades importantes mas não posso ter o domínio disso e espero que aos poucos consigam ver em meus atos essa mudança, essa retomada da alegria pois PRA MIM é o mais importante, afinal, alegria é o que combina comigo né?!

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Saiba Disso!


Dia desses veio um rapaz falar comigo em um desses aplicativos de relacionamentos. Ele veio comentar que não entendia o motivo de eu colocar em meu perfil o fato de ser soropositivo, estava claramente incomodado com aquilo. Eu respondi e fiquei sem entender muitas coisas.
Por qual motivo alguém entra no perfil de um desconhecido e se sente na necessidade de julgar alguém, assim, "de graça"? É tão difícil aceitarem um soropositivo que, hoje, enfim conseguiu digerir este contexto e está aprendendo a fazer dele apenas mais uma informação sobre quem ele é?

Por conta do livro hoje começo a sair do virtual e caminhar cada dia mais para o real, este é o motivo da minha ausência aqui, além - é claro - do fato de estar em um momento bom, o que reduz aquela energia e criatividade originária da dor e do sofrimento. Crises de 5 minutos cada vez mais espaçadas que me fazem olhar para outras coisas, me preocupar com outras questões.

Resumindo... estou aqui, estou bem e cada dia aprendendo mais com tudo isso. Cada dia correndo um pouco mais atrás dos meus sonhos e objetivos. Estou aqui, de cara limpa e sentindo uma liberdade incalculável em poder dizer para quem for que sim, sou soropositivo, não me orgulho nem um pouco, mas aprendi a não me envergonhar. Quer gostar de mim? Saiba disso... Quer ser meu amigo? Saiba disso... Quer me dar trabalho? Saiba disso... Quer me odiar, criticar ou julgar? Saiba disso, e aprenda que olhar para si, para a SUA VIDA é o melhor caminho para deixá-la positiva!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Evento Fnac Pinheiros Jan-2013



Vídeo lindo feito pela Tomada Produção Audiovisual no evento "Uma Vida Positiva" na Fnac Pinheiros de São Paulo agora em janeiro. Um pouco do bate papo, leitura e uma edição voltada para mostrar o projeto como um todo auxiliando na busca dos patrocinadores!

sábado, 19 de janeiro de 2013

Adeus Peter...


Existe uma sequência do livro do Peter Pan que ganhou um concurso em Londres, "Peter Pan Escarlate". Neste livro, aos poucos, você vai sentindo a mudança do Peter Pan para o Capitão Gancho... Acho isso incrível, genial!

Minha relação com a infância sempre foi enorme, algumas vezes pensei que eu poderia ter a conhecida síndrome de Peter Pan, mas depois vi que não. Apenas gosto de manter um lado jovial e infantil. 
Hoje sinto esta mudança para o Gancho, sinto o crescimento e isso veio com a doença.
Quando me descobri soropositivo o choque de realidade é muito grande, o entendimento sobre a morte, sobre as perdas, sobre a sociedade, sobre relacionamentos... Muita coisa junta que, muitas vezes, impede aquele sonho mais puro e ingênuo.

Se estou feliz com tudo o que esta acontecendo comigo? Claro que estou. Como artista, como comunicador eu consegui obter um bom resultado, um reconhecimento... Portas estão se abrindo. Mas não é uma conquista advinda apenas de coisas boas e isso deixa tudo em um plano muito confuso.

A responsabilidade que carrego hoje é muto grande, a necessidade de me estruturar financeiramente, as decisões que tenho que tomar diariamente são sérias e as dores de um amor perdido não são de um amor platônico, adolescente. São dores reais, de gente grande, Como passar por tudo isso? Não sei... Estou aprendendo aos poucos, descobrindo... Estou aos poucos me tornando no Capitão Gancho. Mas que ao menos a Sininho permaneça ao meu lado...

*Foto: Renato Sanches


terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Evento Fnac Pinheiros - São Paulo


Deixo aqui o convite,

Estarei amanhã na FNAC Pinheiros participando de um Bate Papo, de leitura de trechos do livro e a tradicional noite de autógrafos.

Para quem estiver por perto e quiser dar esta força para o evento, fico agradecido!!


sábado, 12 de janeiro de 2013

Ausência


Estou ausente deste meu universo aqui, eu sei. Não é culpa minha. Tudo novo, tudo muito rápido. Correndo, acreditando, lutando.
Um grande estímulo para a escrita, em muitos casos, são questões amorosas e comigo não é diferente. Então, escrever como se isto esta parado, vazio, em um mundo paralelo? Meus sentimentos talvez tenham sido correspondidos, mas e quando isso não é o bastante? O que fazer quando o amor não é suficiente, quando falta coragem?
Tento seguir em frente para amenizar, para curar... Já dizia uma grande voz das animações (rs): "Continue a nadar, continue a nadar... Para achar a solução, nadar, nadar!" 
Estou nadando... estou tentando. Não sem sofrimento, mas com verdade. Espero ser suficiente.
Focar no trabalho? Nas oportunidades que estão aparecendo? Ótima ideia, mas que não vire fuga total...

Só consigo ouvir isso ultimamente...


Letra e tradução aqui ;)

Ben Harper - walk away -traducao