quarta-feira, 8 de maio de 2013

... Mano Velho...


Fui aquela criança que conheceu comprimidos e xaropes bem cedo, já tive muitos remédios diferentes em meu organismo. Hoje em dia faz parte da minha rotina, mas o melhor de todos eles é um bem conhecido da grande maioria, um remédio que não tem efeito colateral, que é até mesmo um grande clichê, porém o mais verdadeiro deles... O tempo.

Três anos e meio depois da minha descoberta e encontro-me em um novo momento de vida. Um momento quase pleno comigo mesmo. Nesse tempo todo quase sempre em ótimo estado de saúde. Aprendi a ver outros pontos de vista, aprendi a julgar menos, aprendi a olhar mais atentamente para as pessoas pois aprendi a olhar melhor pra mim mesmo. Perdi-me em algumas coisas, mas isso foi muito devido aos medos que também brotaram, tempo esse que também teve sua importância. Hoje chego inclusive a retomar um lado mais irônico e consigo - até mesmo- olhar com humor para várias situações que passei. Ando leve e forte, bem mais forte. Quanto tempo vai durar eu não sei, mas deixe que o próprio tempo resolva. Tenho retomado minha fé. Fé de que coisas boas virão, fé de que o que fiz aqui neste espaço nesse tempo não foi por acaso, fé de que ficarei bem comigo mesmo e de quando for para ficar bem com alguém será da melhor forma, no seu tempo certo.

Estava olhando agora pouco um texto sobre as fases do luto e de como elas acontecem com todos, mas em cada indivíduo o tempo entre cada uma pode variar muito. O texto diz bem específico sobre o luto e perda de alguém, mas é bizarro como se enquadra neste contexto pois o luto existiu, não sou o mesmo e nem teria como ser. Diante disso, olho hoje para outros em condições iguais ou semelhantes a minha e torço para que consigam aceitar o quanto antes pois chega a ser doloroso não poder fazer nada para amenizar. Entendo meus amigos e agradeço por este espaço onde pude tornar realidade algumas fases que passei e sem dúvida compartilhar tudo isso foi fundamental para o meu Tempo.